A ASSOCIAÇÃO
PRIMEIRA PESSOA
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
notícia

O desafio de cobrir eleições numa democracia em crise

06/08/2018

Diretor da sucursal de Brasília do Estadão, Marcelo Beraba falou em linhas gerais sobre uma campanha sem precedentes, pela conjugação de crises (política, econômica e social) e pelo fator Lava Jato

Beraba: eleições em contexto
Alice Vergueiro/Jeduca

O 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação começou com uma apresentação de Marcelo Beraba, diretor da sucursal de Brasília do jornal O Estado de S. Paulo, sobre a cobertura eleitoral – foco do evento da Jeduca. Envolvido profissionalmente com o tema desde 1989, Beraba afirmou que a campanha de 2018 tem características sem precedentes em virtude da sobreposição de crises (política, econômica e social) e do fator Operação Lava Jato. Como resultado disso, há um problema ainda mais grave, que é a crise da própria democracia.

 

O jornalista listou algumas prioridades para as redações. Primeiro, é preciso desconstruir as candidaturas para entender sua formação e as articulações que as sustentam. Para Beraba, havia uma ideia, com base na experiência de eleições passadas, de que esta eleição teria menos candidatos construídos artificialmente com o marketing. "Não é o que está acontecendo”, afirmou. “Qual é a imagem que essas candidaturas estão querendo passar? Qual é o histórico dos candidatos? Há contradições no programa? Essas são algumas perguntas que precisam ser feitas”, complementou.

 

Também é preciso ter um olhar forte para os programas, que não são levados a sério no Brasil. Aliás, a maioria dos candidatos sequer tem um, frisou Beraba. Ainda que não haja garantias de que serão efetivamente implementados, eles funcionam como um compromisso mínimo para ser cobrado.

 

O financiamento das campanhas é outro tema sensível, especialmente o de candidatos ao Congresso Nacional. De acordo com o jornalista, as redações dão uma ênfase muito grande para os cargos executivos, mas “é no Congresso que se dá a divisão dos recursos públicos”.

 

Apurar, e não narrar

 

Além das prioridades da pauta, o diretor do Estadão chamou atenção para a qualidade da cobertura jornalística. “Não basta relatar os fatos. Temos a responsabilidade de entender bem os assuntos e de sair da frente dos computadores. Gente, venham para a rua”, enfatizou.

 

Checar os fatos é igualmente fundamental, assim como evitar o assédio que vêm das redes sociais. “Me preocupo muito com a exposição dos repórteres nas redes. O clima está piorando. Há reações contra repórteres sérios e essas reações estão saindo do assédio para a violência física. Tem que denunciar isso”, apontou .

 

Além de denunciar, é preciso se proteger, evitando o tipo de exposição que alimenta “essas tentativas de desacreditar os meios”. “Os meios [os veículos] têm meios de enfrentar isso. Mas individualmente esse assédio machuca, inibe e pode afastar o jornalista da cobertura", disse Beraba.



 

#2}CongressodaJeduca #MarceloBeraba

parceiros mantenedores
Fundação Lemann
Telefonica Fundação / Vivo
Instituto Ayrton Senna
Instituto C&A 25 anos
Instituto Natura
Instituto Unibanco
Itau Social
Itau
Moderna
parceiros institucionais
ABRAJI
Campanha Nacional pelo direito à educação
CENPEC
JeffreyGroup
OEI
Parto Lauand
Todos pela educação
Cooperação reperesentação do Brasil
primeira pessoa