A ASSOCIAÇÃO
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
BANCO DE FONTES
CONTATO
EDITAL
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
notícia

Estudo da OCDE revela desafios da educação superior no Brasil

10/09/2019

Relatório "Education at a Glance" 2019 delineia um cenário marcado por gargalos de acesso na graduação, mestrado e doutorado, somado a um investimento por aluno menor que a média dos países da organização

No Brasil, 3 a cada 10 estudantes abandonam a graduação
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

O relatório “Education at a Glance 2019” da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), lançado nesta terça-feira (9/9)  enfoca prioritariamente a educação superior e traz um série de análises que permitem colocar a educação brasileira em perspectiva no cenário internacional. 

 

O estudo é divulgado anualmente e, nesta edição, foram analisados dados de 46 países – 36 integrantes da OCDE e Argentina, Brasil, China, Colômbia, Costa Rica, Índia, Indonésia, Federação Russa, Arábia Saudita e África do Sul. 

 

Os dados do Brasil são compilados pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), conforme a demanda da OCDE. Nem sempre os dados divulgados no "Education at a Glance", também conhecido pela sigla EAG, são os mais atuais, pois a organização privilegia a comparabilidade internacional.

 

A seguir, alguns destaques do EAG 2019 sobre a educação superior no Brasil.

 

Acesso

Apesar de a porcentagem de jovens adultos (25-34 anos) com diploma superior ter dobrado no prazo de uma década, o Brasil permanece com taxas de atendimento abaixo da média da OCDE e de outros países latino-americanos.

 

Segundo o EAG 2019, no ano de 2008, 11% dos brasileiros de 25-34 anos tinham diploma de nível superior. Em 2018, eram 21%. O dado brasileiro é comparável ao do México, mas está abaixo de outros países latino-americanos, como Chile (25%) e Argentina (36%). Essa porcentagem corresponde à metade da média dos países da OCDE. 

 

Um dos pontos para a cobertura aqui é analisar as causas do baixo acesso ao ensino superior no Brasil – o que está ligado às baixas taxas de conclusão do ensino médio e à concentração da oferta de vagas em instituições privadas (estas correspondem a 75% da matrícula.

 

Conclusão

As taxas de conclusão da educação superior no Brasil são mais baixas do que na média da OCDE, o que remete a uma discussão sobre a eficiência do sistema e sobre a permanência dos estudantes.

 

Segundo o EAG 2019, somente 33% dos estudantes que entram numa graduação terminam no tempo esperado. A porcentagem é menor do que a média entre os países investigados no EAG 2019: 39%.

 

Quando se considera um período de três anos adicionais, 50% conclui o curso de graduação, ante a uma média de 67% nos países do EAG 2019.

 

Dos estudantes que não concluem neste prazo, um terço abandonam o sistema sem se formar.

 

Acesso a mestrado e doutorado

No Brasil, a proporção de pessoas que fazem mestrado ou doutrado é menor do que a média da OCDE. Aqui como lá, é uma minoria que chega a esses níveis, mas no Brasil a seletividade é ainda maior. Segundo o EAG 2019, somente 0,8% dos brasileiros entre 25 e 64 anos têm título de mestre. Na OCDE, a média é de 13%.

 

A porcentagem dos que chegam ao doutorado é ainda menor: 0,2% da população de 25 a 64 anos. Na OCDE, a média é de 1,1%.

 

Condições de ensino

As instituições públicas oferecem melhores recursos de ensino do que as particulares.

 

Nas instituições privadas, foram computados 42 alunos por professor. Esta taxa é a mais elevada no conjunto de países analisados e mais de 2,5 maior do que a média da OCDE (16 alunos por professor).

 

Nas públicas, em 2017, havia 11 alunos por professor – uma das taxas mais baixas dos países analisados no EAG 2019 (a média é de 15).  Esse desempenho, segundo a OCDE, pode ser explicado por causa da forte presença da pós-graduação no ensino superior público, que costumam ter uma relação aluno-professor menor do que na graduação.

 

As instituições publicas respondem por 80% das matrículas nos programas de mestrado e doutorado.

 

Gasto por aluno em instituições públicas de educação superior

Segundo a OCDE, o gasto público com as instituições públicas de ensino superior aumentou 19% entre 2016 e 2017.  O Brasil gastou, em 2016, US$ 14,2 mil por aluno das instituições públicas de ensino superior.  Apesar do aumento significativo, o investimento médio por aluno nos países da OCDE é de US$ 16,1 mil.

 

Vale destacar que o cenário descrito no relatório não contempla o impacto do teto de gastos, pois analisa o período entre 2010 e 2016, ou seja, não considera o efeito do contingenciamento de recursos para as instituições federais de ensino superior, que respondem pela maior parte da oferta de vagas na graduação e pós-graduação no sistema público.

 

Documentos

Além do relatório geral, a OCDE divulga as country notes (notas de países), que compilam os destaques referentes a cada país. O relatório e o country note do Brasil estão disponíveis no site da OCDE, em inglês.

  

A OCDE realizou, com apoio da Jeduca, um webnário sobre os dados referentes ao Brasil no EAG 2019. A apresentação feita pela OCDE durante o evento pode está disponível aqui.

 

Os dados utilizados pela OCDE para compor o relatório são fornecidos pelos próprios países. No caso do Brasil, o Inep é o responsável por fornecer dados. que são extraídos do  Censo Escolar da Educação Básica, Censo da Educação Superior, pesquisa Talis (estudo internacional da OCDE sobre ensino e aprendizagem), Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, também da OCDE), além de informações fornecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)  sobre mestrado e doutorado e dados demográficos do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

No site do Inep existe uma área dedicada ao EAG, onde é possível acessar a publicação “Panorama da Educação”, produzida pelo instituto, que aprofunda alguns aspectos dos dados referentes ao Brasil.

 

 

 

#panoramadaeducação #OCDE #martaavancini #inep #EducationataGlance2019 #educaçãosuperior #EAG2019

parceiros mantenedores
Fundação Lemann
Telefonica Fundação / Vivo
Instituto Ayrton Senna
Instituto Natura
Instituto Unibanco
Itau Social
Itau
parceiros institucionais
ABRAJI
Campanha Nacional pelo direito à educação
CENPEC
OEI
Parto Lauand
Todos pela educação
Cooperação reperesentação do Brasil
Moderna
primeira pessoa