A ASSOCIAÇÃO
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
BANCO DE FONTES
CONTATO
EDITAL
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
notícia

Webinário aborda os desafios para a reabertura das escolas

08/06/2020

Redução do impacto das desigualdades, adequação da infraestrutura das escolas e aplicação dos protocolos sanitários estão entre os pontos de debate

Estudantes chineses durante cerimônia em escola aberta após a quarentena
Getty Images

A Jeduca realiza na quarta-feira (10/6), às 17h, o webinario “Retomada das aulas presenciais: perspectivas no Brasil e experiências internacionais”.A transmissão pode ser acompanhada no canal da Jeduca no YouTube e na página da associação no Facebook.

 

Participam do evento Laura Souza, secretária de Estado da Educação de Alagoas e integrante Consed (Conselho Nacional do Secretários Estaduais de Educação), Luiz Miguel Martins Garcia,  secretário municipal de Sud Mennucci  (SP) e presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), Mauricio Ernica, professor da Faculdade de Educação da Unicamp e Rebeca Otero, coordenadora de Educação da Unesco no Brasil.

 

No evento, os representantes da Undime e do Consed vão apresentar as propostas em discussão para a retomada das aulas presenciais nas redes estaduais e municipais, ainda sem data, na maior parte do país.  Ernica vai abordar os desafios da retomada das aulas, a partir da perspectiva das desigualdades e Rebeca falará sobre algumas experiências internacionais e as orientações da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) para a reabertura das escolas.

 

 

Cenário no Brasil

Recentemente, três capitais anunciaram a retomada das aulas presenciais em julho. São elas: Fortaleza (CE), Manaus (AM) e Rio de Janeiro (RJ). A prefeitura de São Luís (MA) havia anunciado a reabertura das escolas em junho, mas voltou atrás.

 

O estado de São Paulo anunciou um plano para a retomada em cinco fases, ainda sem previsão de data.

 

O Consed está elaborando um plano para funcionar como referência para gestores elaborarem seus próprios protocolos. Além de uma retomada em etapas (priorizando os mais velhos), o documento prevê a possibilidade de ensino híbrido (presencial e a distância) e orientações sobre os cuidados sanitários.

 

Há também um projeto de lei na Câmara dos Deputados sobre o planejamento do retorno às aulas, que prevê uma atuação colaborativa entre União, estados e municípios.

 

Prioridades

A priorização dos mais velhos se justificaria porque os alunos do 3.º ano do ensino médio, em fase de preparação para o  Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), ou os do 9.º ano do ensino fundamental, que estão encerrando um ciclo.  

 

Porém, não há um consenso sobre isso e há quem defenda a retomada da educação infantil primeiro. Os motivos não são necessariamente pedagógicos: a retomada das atividades nas creches e pré-escolas permitiria que muitas mães voltassem ao trabalho, além de, em tese, as crianças menores serem menos vulneráveis ao vírus.

 

Nesse contexto, um grupo de pesquisadores e profissionais da educação infantil alerta, em documento, para os riscos do retorno precipitado às atividades desta etapa, sem o devido planejamento e uma articulação intersetorial.

 

Cenário internacional

Em várias partes do mundo, as escolas estão sendo reabertas, mas não é possível identificar um modelo único. Existe uma diversidade de estratégias e de desafios que são solucionados à medida que surgem.

 

Países que reabriram as escolas em maio – como Portugal, França e Holanda, entre outros – têm situações bem diferentes. Na França, 70 escolas tiveram que voltar a fechar, após funcionários serem infectados com o novo coronavírus. Na Alemanha, os protocolos para reabertura das escolas em junho foram detalhados para os professores com antecedência – como limpeza, número de alunos por sala e fluxo de estudantes, entre outros pontos.

 

Diversas organizações internacionais divulgaram documentos para orientar a reabertura das escolas. A Coalizão Global de Educação, composta pela Unesco, Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e WPF (Programa Mundial de Alimentos) e Banco Mundial, lançou diretrizes, pautadas pelo direito à educação e pela prioridade aos mais marginalizados.

 

Nos Estados Unidos, a Associação Americana de Pediatria divulgou orientações para a reabertura das escolas, que enfatizam a atuação conjunta entre as áreas da educação e da saúde e chama a atenção para as especificidades dos estudantes com deficiência.

#unicamp #unesco #undime #rebecaotero #reaberturaescolas #novocoronavírus #mauricioernica #luizmiguelmartinsgarcia #laurasouza #covid-19 #consed

faça sua busca
principais termos
parceiros financiadores
Fundação Lemann
Telefonica Fundação / Vivo
Instituto Ayrton Senna
Instituto Natura
Instituto Unibanco
Itau Social
Itau
parceiros institucionais
ABRAJI
Campanha Nacional pelo direito à educação
CENPEC
OEI
Parto Lauand
Todos pela educação
Cooperação reperesentação do Brasil
Moderna
Loures
primeira pessoa