Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.
OK
A associação
Notícias
Guias
Congresso
Dados educacionais
Edital
Editora pública
Banco de fontes
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN ASSOCIADO
Alice Vergueiro/Jeduca
Congressos

Especialistas indicam caminhos de reconstrução da educação

Educadora e cientista político combatem a agenda conservadora e defendem a retomada do planejamento público do setor

15/09/2022
Malu Araújo/Oboré Projetos Especiais*

O esvaziamento das políticas públicas voltadas para a educação, a implantação de uma agenda política ultraconservadora nas escolas e o aniquilamento do direito de ter direitos são alguns dos retrocessos apontados pela educadora Denise Carreira, coordenadora Institucional da Ação Educativa  e pelo cientista político Fernando Abrucio, coordenador do Centro de Estudos de Administração Pública e Governo da FGV (Fundação Getúlio Vargas),  durante a mesa "Retrocessos na educação: qual o caminho para reconstruir as escolas públicas? , mediada pela jornalista e diretora da Jeduca Cíntia Gomes. 

 

Durante o 6° Congresso Internacional de Jornalismo da Educação, os convidados apontaram caminhos para a reconstrução de um plano educacional baseado na realidade pós-isolamento e em uma agenda guiada pelo interesse público das escolas - e não pelo viés ideológico dos governos. Nesse sentido, eles também abordaram quais pontos os jornalistas setoristas da educação devem observar e enfatizaram a necessidade da desmistificação de que o Brasil é um país que “abraça” a agenda ultraconservadora.

 

Caminhos para a reconstrução

Para o cientista político Fernando Abrucio, vai ser preciso “articular a educação com as outras políticas sociais diante da pandemia”, fazendo valer principalmente os direitos conquistados na Constituição de 1988. A partir disso, deverá ser criado uma “formulação de colaboração territorial"  entre as escolas,  áreas intersetoriais, municípios, estados e, por fim, o governo federal. Segundo Abrucio, essa colaboração será vital para a criação e desenvolvimento de políticas públicas em cada região do país.

 

Já para a educadora popular Denise Carreiro, não há como reconstruir as escolas públicas sem “retomar o planejamento público”,  sem  investir no financiamento educacional e sem “derrubar o teto de gastos”, que conta com mais de oito ações de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal). A educadora traz também o “dever do estado brasileiro em abordar as questões de gênero”, uma vez que as crianças e adolescentes possuem o direito de acessar conhecimentos científicos e humanísticos. A especialista defende ainda colocar no “centro da roda o debate e o enfrentamento sobre o racismo”, para radicalizar e ampliar as políticas públicas destinadas a essa parcela da população.

 

O papel do jornalismo

Outro aspecto enfatizado pelos convidados durante a mesa foi o papel fundamental que o jornalismo profissional exerce ao denunciar e reportar os escândalos e desafios da educação no país, principalmente, diante de propostas com viés ideológico como o movimento “escola sem partido”.

 

Denise enfatiza a necessidade dos jornalistas setoriais em educação buscarem sempre por “fontes plurais e diversas”, tendo cautela ao falar com instituições empresariais, muitas delas comprometidas com políticas educacionais, investigando sempre “os interesses que estão em jogo”, com uma visão crítica em relação ao papel desses agentes no país. 

 

O cientista político Fernando Abrucio destacou três pontos centrais para a desconstrução da “lógica de guerra cultural contra políticas públicas”: olhar a experiência internacional, comparando e percebendo a inconsistência do modelo atual no país; trabalhar com dados e evidências para facilitar e entender melhor o debate sobre as políticas e , sobretudo, escutar os pais dos alunos que estão na escola pública sobre o que eles pensam em relação aos impactos dessa agenda conservadora. Abrucio acredita que, quando acontecer isso, “vai acabar esse debate de escola sem partido”.

Confira a íntegra da mesa no vídeo abaixo:



 

O 6º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação da Jeduca conta com o patrocínio master de Itaú Educação e Trabalho e Instituto Educbank, patrocínio de Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Fundação Telefônica Vivo, Instituto Península, Instituto Unibanco, Itaú Social e  Santillana Educação, XP Educação e apoio da Fecap, Canal Futura/Fundação Roberto Marinho, Colégio Rio Branco,  Loures Consultoria e Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil.

 

*Edição: Ronald Sclavi

 

A cobertura oficial do 6º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação é realizada por estudantes, recém-formados e jornalistas integrantes da Redação Laboratorial do Repórter do Futuro, da OBORÉ. A equipe opera sob coordenação do Conselho de Orientação Profissional e do núcleo coordenador do Projeto, com o apoio da editoria pública e da equipe de comunicação da Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação). 

#projetorepórterdofuturo #oboré #jeduca2022 #eleicoes2022 #conteprajeduca #6congressojeduca

PARCEIROS FINANCIADORES
Fundação Lemann
Fundação Telefônica Vivo
Instituto Ayrton Senna
Instituto Natura
Instituto Unibanco
Itaú Social
Itaú Educação e Trabalho
Maria Cecilia Souto Vidigal
PARCEIROS INSTITUCIONAIS
Abraji
Campanha Nacional pelo Direito à Educação
CENPEC
OEI
Porto Lauand
Todos Pela Educação
UNESCO
Moderna
Loures
ASSOCIAÇÃO DE JORNALISTAS DE EDUCAÇÃO