Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.
OK
A associação
Notícias
Guias
Congresso
Dados educacionais
Edital
Editora pública
Banco de fontes
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN ASSOCIADO
Outros

Nota sobre a retirada de microdados do site do Inep

Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, composto pela Jeduca e 24 organizações, manifesta-se sobre a mudança na divulgação de dados pela autarquia

23/02/2022
Redação Jeduca

O Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, composto por 25 organizações – entre elas, a Jeduca -, divulgou uma nota em que mostra preocupação com o fato do Inep ter retirado de seu site microdados de levantamentos nacionais usando a LGPD como justificativa. Para o grupo é preciso ponderar benefícios e eventuais riscos.


Leia a nota na íntegra:

 

Ao publicar na última sexta-feira (18.fev.2022) os dados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 e do Censo Escolar da Educação Básica 2021, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) suprimiu, sem aviso ou consulta prévios, uma série de informações que costumavam ser divulgadas, como as bases de dados de alunos e docentes da educação básica.

 

A autarquia também removeu de seu portal todos os microdados das edições passadas do Enem e do Censo Escolar. O Instituto não informou quando disponibilizará os arquivos novamente.

 

Para os 25 integrantes do Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, a justificativa do órgão para a retirada dos dados – a adequação à Lei Geral de Dados Pessoais (LGPD) – é equivocada e compromete a transparência das políticas públicas de educação.

 

Os microdados são a parte mais detalhada de um dado coletado em uma pesquisa e, no caso do Censo Escolar e do Enem, possibilitam a produção de análises e retratos sobre a educação no Brasil. Reportagens usaram os dados para mostrar que só 293 estudantes nas piores condições socioeconômicas obtiveram notas semelhantes a de alunos de escolas de elite no Enem, e para verificar o desempenho de alunos cotistas e não cotistas em universidades, por exemplo. Iniciativas desse tipo já foram reconhecidas pelo próprio Inep através de seu Prêmio de Jornalismo.

 

A partir de dados do Censo Escolar, pesquisadores produziram um Indicador de Permanência Escolar, que fornece um panorama de quantos jovens chegaram a ingressar na escola, mas em algum momento abandonaram os estudos.

 

A ação de simplesmente retirar as informações é desproporcional e fere a própria LGPD, segundo a qual o tratamento de dados pessoais pelo poder público deve ser realizado na persecução do interesse público (art. 23).

 

Para avaliar a preponderância de interesse público e garantir, ao mesmo tempo, transparência e privacidade, uma série de práticas e procedimentos são adotados por órgãos públicos de todo o mundo. É preciso ponderar benefícios e eventuais riscos. No caso dos microdados do Inep, os benefícios dos dados já anonimizados estão colocados há mais de uma década, e geram imenso valor para a sociedade, como explicado aqui. Já os riscos, se existem, são exceções e casos isolados, que não podem se sobrepor ao interesse geral.

 

A proteção de dados pessoais não pode ser pretexto para a redução da transparência pública e comprometimento do controle social.

 

Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas

 

 

##transparencia#microdados#inep#censoescolar#enem

PARCEIROS FINANCIADORES
Fundação Lemann
Fundação Telefônica Vivo
Instituto Ayrton Senna
Instituto Natura
Instituto Unibanco
Itaú Social
Itaú Educação e Trabalho
Maria Cecilia Souto Vidigal
PARCEIROS INSTITUCIONAIS
Abraji
Campanha Nacional pelo Direito à Educação
CENPEC
OEI
Porto Lauand
Todos Pela Educação
UNESCO
Moderna
Loures
ASSOCIAÇÃO DE JORNALISTAS DE EDUCAÇÃO